23 de agosto de 2018

Christopher Robin - Um Reencontro Inesquecível


O grande problema das adaptações em carne e osso dos desenhos animados de antigamente para o cinema é que eles se atualizam para os tempos contemporâneos e acabam perdendo o que os tornavam tão preciosos. Pica-Pau: O filme, por exemplo, de nada me lembra o personagem maluco do qual assistia quando pequeno; isso faz com que aqueles desenhos se tornem cada vez mais pertencentes aos tempos mais dourados. Em contrapartida, Christopher Robin - Um Reencontro Inesquecível surpreende não só em ir muito além daquele velho bosque dos 100 Acres, como também manter intacto a personalidade dos personagens que tanto admiramos.


Baseado no conto de A.A. Milne e E. H. Shepard e dirigido por Marc Foster (Em Busca da Terra do Nunca), a trama mostra Christopher Robin (Ewan McGregor) já adulto, casado, pai de uma filha e um homem de negócios de uma empresa que fabrica malas. Christopher, entretanto, já não é aquele menino sonhador, que gostava de brincar com o Ursinho Pooh e seus amigos e, com tantas responsabilidades no trabalho, não aproveita o tempo livre com a sua família. Cabe ao Ursinho Pooh e seus amigos voltarem para vida de Christopher e mostrar a ele o que faz a vida valer a pena.

Começando adaptação de uma forma que se interligue com o conto original, o filme consegue a proeza de nos convidar de uma forma segura para o cenário que vai além do conhecido Bosque dos 100 Acres e faz com que a gente aceite as mudança que virão em seguida. Ao vermos, por exemplo, o menino Christopher crescido, isso faz com que nos identifiquemos com a trama facilmente, principalmente pelo fato do protagonista não ter se distanciado muito do que ele já foi um dia, mas tendo sido obrigado a amadurecer perante os obstáculos que vieram em sua vida. Tendo todas as chances do mundo em cair numa típica armadilha de interpretação caricata, Ewan McGregor até que se sai bem como o protagonista, já que ele consegue manter um equilíbrio entre o exagero e verossímil e faz com que o seu personagem se torne realmente humano perante os nossos olhos.

Outro aspecto interessante é a direção de Marc Foster, ao conseguir recriar com perfeição aquele mundo mágico e fazê-lo transitar com segurança para o nosso mundo. Nada de uma edição vertiginosa, ou muito cartunesca, mas sim com muita leveza e tendo todo o cuidado na reapresentação dos conhecidos personagens para os velhos fãs e para um novo público. Ao revermos Ursinho Pooh, Tigrão, Leitão, Bisonho e os demais em suas versões digitais, porém verossímeis, a nostálgica toma conta da tela.

Toda aquela velha filosofia vinda de personagens tão inocentes podem até soar piegas para um público atual, acostumado a tanta informação a cada minuto, mas nunca é demais voltarmos a sentir algo mais simples e humano. Se a mensagem principal do clássico Forrest Gump, por exemplo, de que a inocência é o caminho para a felicidade, o modo de vida daqueles personagens, portanto, não fica muito atrás, principalmente ao saberem apreciar o mundo do qual irão testemunhar. Em tempos em que as pessoas cada vez mais se encontram presas em seus aparelhos celulares, com suas redes socais artificiais, nunca é demais olharmos o que existe além das janelas do trem.

Christopher Robin - Um Reencontro Inesquecível é convite singelo para revermos velhos amigos da nossa infância e nos ensinar em saber apreciar o que vale a pena na vida.


Postar um comentário

Receba no seu e-mail - Cadastre-se!

Mais Lidos do blog