23 de agosto de 2018

Christopher Robin - Um Reencontro Inesquecível


O grande problema das adaptações em carne e osso dos desenhos animados de antigamente para o cinema é que eles se atualizam para os tempos contemporâneos e acabam perdendo o que os tornavam tão preciosos. Pica-Pau: O filme, por exemplo, de nada me lembra o personagem maluco do qual assistia quando pequeno; isso faz com que aqueles desenhos se tornem cada vez mais pertencentes aos tempos mais dourados. Em contrapartida, Christopher Robin - Um Reencontro Inesquecível surpreende não só em ir muito além daquele velho bosque dos 100 Acres, como também manter intacto a personalidade dos personagens que tanto admiramos.


Baseado no conto de A.A. Milne e E. H. Shepard e dirigido por Marc Foster (Em Busca da Terra do Nunca), a trama mostra Christopher Robin (Ewan McGregor) já adulto, casado, pai de uma filha e um homem de negócios de uma empresa que fabrica malas. Christopher, entretanto, já não é aquele menino sonhador, que gostava de brincar com o Ursinho Pooh e seus amigos e, com tantas responsabilidades no trabalho, não aproveita o tempo livre com a sua família. Cabe ao Ursinho Pooh e seus amigos voltarem para vida de Christopher e mostrar a ele o que faz a vida valer a pena.

Começando adaptação de uma forma que se interligue com o conto original, o filme consegue a proeza de nos convidar de uma forma segura para o cenário que vai além do conhecido Bosque dos 100 Acres e faz com que a gente aceite as mudança que virão em seguida. Ao vermos, por exemplo, o menino Christopher crescido, isso faz com que nos identifiquemos com a trama facilmente, principalmente pelo fato do protagonista não ter se distanciado muito do que ele já foi um dia, mas tendo sido obrigado a amadurecer perante os obstáculos que vieram em sua vida. Tendo todas as chances do mundo em cair numa típica armadilha de interpretação caricata, Ewan McGregor até que se sai bem como o protagonista, já que ele consegue manter um equilíbrio entre o exagero e verossímil e faz com que o seu personagem se torne realmente humano perante os nossos olhos.

Outro aspecto interessante é a direção de Marc Foster, ao conseguir recriar com perfeição aquele mundo mágico e fazê-lo transitar com segurança para o nosso mundo. Nada de uma edição vertiginosa, ou muito cartunesca, mas sim com muita leveza e tendo todo o cuidado na reapresentação dos conhecidos personagens para os velhos fãs e para um novo público. Ao revermos Ursinho Pooh, Tigrão, Leitão, Bisonho e os demais em suas versões digitais, porém verossímeis, a nostálgica toma conta da tela.

Toda aquela velha filosofia vinda de personagens tão inocentes podem até soar piegas para um público atual, acostumado a tanta informação a cada minuto, mas nunca é demais voltarmos a sentir algo mais simples e humano. Se a mensagem principal do clássico Forrest Gump, por exemplo, de que a inocência é o caminho para a felicidade, o modo de vida daqueles personagens, portanto, não fica muito atrás, principalmente ao saberem apreciar o mundo do qual irão testemunhar. Em tempos em que as pessoas cada vez mais se encontram presas em seus aparelhos celulares, com suas redes socais artificiais, nunca é demais olharmos o que existe além das janelas do trem.

Christopher Robin - Um Reencontro Inesquecível é convite singelo para revermos velhos amigos da nossa infância e nos ensinar em saber apreciar o que vale a pena na vida.


2 de agosto de 2018

Missão Impossível - Efeito Fallout



A Cine Série Missão Impossível teve a sua primeira aventura bem sucedida no já longínquo ano de 1996. Porém, mesmo com a direção do cineasta John Woo, Missão Impossível 2 deu uma patinada e deixando a cine série a deriva. Mas foi a partir da chegada de J.J Abrams (Lost) ao terceiro filme que a cine série ganhou um novo ar revigorante e empolgando o cinéfilo em cada nova aventura que veio adiante.
Embora cada filme funcione até hoje de uma forma independente, é curioso que desde o terceiro filme sempre foi incrementado personagens e elementos que se interligassem um com outro. O Capítulo anterior já dava sinais disso, mesmo quando ele se encerrou de uma forma perfeita, mas deixando pontas soltas e das quais poderiam ser exploradas nas eventuais sequencias. Eis que esse sexto filme, Impossível - Efeito Fallout, talvez seja o mais dependente dos filmes anteriores, mas se tornando um dos melhores filmes da cine série e, talvez, um dos melhores filmes de ação do ano.
Dirigido novamente por Christopher McQuarrie, o filme se passa dois anos após a aventura anterior, onde vemos Ethan Hunt (Tom Cruise) tendo que lidar novamente com o terrorista Solomon (Sean Harris). Hunt novamente conta com a sua velha equipe, além do retorno da agente Iisa Faust (Rebecca Ferguson). Porém, Hunt faz alianças improváveis, como no caso do agente August Walker (Henry Cavill) que é muito mais do que aparenta ser.
Engraçado que, mesmo após mais de duas décadas desde o primeiro filme, algumas ideias já bem manjadas ainda funcionem nessa nova aventura. O início, aliás, parece um prólogo estendido do que já havia sido visto na primeira aventura e nos pegando desprevenidos, mas isso graças ao bom desempenho de Tom Cruise em cena. Mesmo aparentando sinais de velhice, é surpreendente como o ator se arrisca num filme que lhe exige tanto fisicamente, mas parece que ele não dá sinais de que esteja  pensando em desacelerar.
Ação, aliás, é o carro chefe dessa nova aventura e que, embora sejam muitas, é impressionante como que cada uma delas são inseridas de acordo com o que a história exige. O que torna elas ainda mais especiais é o fato do filme possuir o uso quase zero de efeitos digitais nesses momentos e fazendo com que a gente sinta um grau de verossimilhança mesmo nas mais absurdas sequências. As cenas de perseguição vistas em Paris remetem até mesmo o clássico Operação França e sendo elas qualquer coisa melhor do que já foi visto em filmes como Velozes e Furiosos da vida.
Porém, são nas cenas de luta onde o coração do filme mais pulsa. Desde que a Identidade de Bourne foi lançado, o filme estrelado por Matt Damon serviu de modelo de como as cenas de luta corpo a corpo devem ser filmadas e aqui, pelo visto, os realizadores fizeram o dever de casa: a cena de luta dentro do banheiro são sufocantes e muito  empolgantes.
Das caras novas, Henry Cviil rouba a cena, ao interpretar um agente profissional, mas cuja as suas reais intenções ficam sendo um mistério a todo momento. E se Rebecca  Ferguson novamente rouba a cena toda vez que aparece, Vanessa  Kirby (da série The Crown) possui uma presença dominante mesmo nos poucos momentos na tela. A ala feminina, aliás, nos reserva um momento surpresa e que irá se fechar um círculo de eventos que se iniciou a partir do terceiro filme. 
Com um final de tirar o fôlego, Missão Impossível - Efeito Fallout é um exemplo claro de que a cine série tão cedo não sairá dos trilhos e essa não precisa ser exatamente uma missão impossível.  

Receba no seu e-mail - Cadastre-se!

Mais Lidos do blog