27 de junho de 2018

Jurassic World: Reino Ameaçado

O grande problema dos filmes da franquia Jurassic Park é deles sofrerem com as comparações ao clássico de 1993. Steven Spielberg criou na época um verdadeiro filme evento, do qual os efeitos visuais se tornaram revolucionários e fortalecendo a ideia da verossimilhança dentro do gênero fantástico. Após um segundo filme (O Mundo Perdido) que não havia chegado aos pés do seu antecessor, e de um apenas “ok” terceiro filme, a franquia se fortaleceu de uma forma surpreendente em Jurassic Wold, um filme carregado de nostalgia e que fez os fãs voltarem a respeitar a franquia.
Mas também não adianta resgatar o que havia dado certo no passado e não tentar arriscar por algo novo. Talvez isso tenha passado na cabeça dos produtores, ao dar continuidade aos eventos do filme anterior, mas lançando um olhar mais autoral e sombrio para Jurassic World: Reino Ameaçado. A responsabilidade caiu nos braços de Juan Antonio Bayona, diretor apadrinhado por Guilherme Del Toro, que havia chamado atenção no ótimo filme de horror O Orfanato e surpreendo no filme catástrofe O Impossível.
A trama se passa cinco anos após os eventos do filme anterior, onde o parque acabou sendo evacuado e deixando os dinossauros dominarem tudo. Porém, um vulcão entra em erupção e ameaçando a vida de todos os dinos que se encontram por lá. Cabe o esforço de Nick (Chris Pratt) e Claire (Bryce Dallas Howard) de retornarem a ilha e de tentar salvar o máximo que for possível de dinossauros, mas tendo homens gananciosos como obstáculos durante o caminho.
Basicamente, o filme é uma releitura melhorada do segundo filme da franquia, mas sendo ainda mais sombrio e com momentos de puro terror. Não que Juan Antonio Bayona tenha exagerado na dose, muito pelo contrário, mas ele acaba usando os velhos artifícios de luz e sombras e criando um clima até mesmo gótico. Imagine o clássico de 1993 tendo sido dirigido pelo estúdio colorido Marvel e esse tendo sido dirigido pela Warner/DC que faz dos seus filmes com um teor mais adulto que daí vocês terão uma ideia do que eu estou dizendo.
E se num primeiro momento o retorno do personagem Iam Malcolm (Jeff Goldblum) é festejado pelos nostálgicos, por outro, muitos ficarão chocados pelo seu posicionamento com relação ao destino dos dinossauros da ilha. O caso que o filme é mais ecologicamente correto da franquia, mas ao mesmo tempo, tocando em assuntos espinhosos sobre o papel do homem perante criar ou não tais criaturas que foram dadas e tiradas pela natureza. Cabe o homem escolher em salvar o que havia recriado? Ou deixar que a natureza cuide disso?
Em meio a esses dilemas o filme novamente nos brinda com boas cenas de ação, mesmo quando elas soem um tanto que exageradas. Se no clássico de 1993 havia uma preocupação em nos passar realismo, aqui isso se distancia um pouco no momento em que os dinossauros saem da ilha e adentram num cenário até então inédito. Porém, é de se tirar o chapéu para o cineasta em ter conseguido criar cenas absurdas, mas das quais nos prende na cadeira: atenção para a cena em que os protagonistas precisam tirar sangue do T Rex.
Em meio essa tentativa de inovar a franquia, ao mesmo tempo, o filme por pouco não descamba para o velho clichê de humanos malvados sedentos por dinheiro. Claro que não precisamos ser gênios para saber que tudo irá dar errado e á maioria dos vilões irão terminar como almoço para os dinos. E se por um lado a ideia de se criar um dinossauro novo através de experimentos já esta mais do que batido, por outro, o segredo que se encontra na jovem personagem Maisie (Isabella Sermon) se revela a maior surpresa da trama, mesmo quando a fórmula já foi vista e revista em outras franquias. 
Com a participação especial de Geraldine Chaplin, Jurassic World: Reino Ameaçado é um filme que transita entre o clichê e a inovação e criando novos rumos para os dinos numa eventual futura aventura.


Postar um comentário

Receba no seu e-mail - Cadastre-se!

Mais Lidos do blog