Parceria

14 de agosto de 2014

O Homem das Multidões (2013)

Exibido pela primeira aqui no RS no último festival da Panda Filmes, Cao Guimarães conclui a sua trilogia particular, onde o foco principal é a solidão do mundo contemporâneo atual, com O Homem das Multidões, depois de A Alma do Osso (2004) e Andarilho (2006). Contudo, ele decidiu pegar carona com a “nova onda” do cinema Pernambucano (liderado pelo Som ao Redor) e decidiu fazer parceria com Marcelo Gomes (Era uma Vez Eu, Verônica) e, para a surpresa de todos, criarem uma trama baseada num conto de Edgar Allan Poe (O Corvo). A narrativa é de um silencio arrebatador, onde a fotografia sintetiza um universo frio e as emoções dos personagens são travadas numa espécie de freio vindo do inconsciente.

Pelo menos, isso é muito bem representado pelos dois protagonistas principais, interpretados por Paulo André e Silvia Lourenço. Ele, um maquinista de metrô em Belo Horizonte e ela contra o fluxo dos trens. Embora aparentem serem diferentes um do outro, ambos tem algo em comum por serem solitários.

Curiosamente, ele gosta de conviver em meio a inúmeras pessoas, mas não sabe interagir com elas. Já ela é comunicativa, mas somente através dos seus amigos virtuais que mal os vê pessoalmente. Afinal quem está em pior situação? Ele pela falta de contato social ou ela por manter relações virtuais?

É um filme que facilmente as pessoas irão se identificar com ele, pois há pessoas atualmente tão dispostas a se isolarem cada vez mais uma da outra, como também aquelas que somente conseguem interagir através dos seus celulares e tablets. Em meio a esse mundo pessimista, o filme nos prende por um possível fio de esperança através de uma inusitada história de amor que, embora o futuro dela seja um tanto que indefinida, não custa acreditar que as pessoas de hoje possam retornar, a saber, interagir como era antigamente.

Postar um comentário

Poderá gostar também:

Receba no seu e-mail - Cadastre-se!

Mais Lidos do blog