Parceria

4 de junho de 2014

MALÉVOLA (Maleficent, 2014)

Na época em que o clássico da Disney A Bela Adormecida foi lançado (1959), o bem e o mal eram bem definidos e sem se preocupar do porquê eles serem assim. Hoje vivemos em tempos diferentes em que é necessário saber o que leva as pessoas a serem más, pois sempre existe a esperança de uma segunda chance, mesmo que nula. Malévola nada mais é do que uma releitura do clássico, onde mostra o que aconteceria se a grande vilã do conto tivesse um grande motivo para ter ido para o lado sombrio e quem sabe uma segunda chance de volta para luz.


Dos mesmos produtores de filmes como Alice No País das Maravilhas e OZ, acompanhamos Malévola (Angelina Jolie) desde pequena e cuidando do seu mundo mágico de fadas. Infelizmente ela acabou sendo traída pelo homem que um dia amou, sendo que ele se tornou um rei tirano, Stefan (Sharlto Copley) e cortando as asas da protagonista. Com enorme ódio no coração, Malévola roga uma praga para que a primogênita do rei, Aurora (Elle Fanning) caia num sono eterno, quando espetar o dedo em uma agulha ao fazer 16 anos.


Até ai todos conhecem a história, mas a partir do momento em que Aurora é levada para floresta, para ser cuidada pelas três fadas madrinhas (interpretadas pelas atrizes (Juno Temple, Imelda Staunto e Lesley Manville), Malévola começa a vigiar a criança de longe. É nesse ponto que percebemos que a sua aproximação com a criança lhe faz se lembrar da fada boa que ela foi um dia. Esse retorno de Malévola para a luz aumenta mais ainda, graças à sua parceria com o corvo Diaval que se torna um homem (Sam Riley) e que observa também a criança de longe.

Em outras circunstâncias, vendo uma vilã se tornando uma pessoa boa que foi algum dia, poderia, em outras mãos, se tornar uma história um tanto que forçada. Porém, o grande trunfo da produção está em um nome: Angelina Jolie. Dona de uma presença magnética toda vez que surge em cena, Angelina carrega todo o filme nas costas e nos convence que a sua Malévola realmente começa a sentir amor por Aurora. Amor esse que será verdadeiro e não vindo de um príncipe encantando (Brenton Thwaites) no qual Aurora conheceu em somente um dia.


Assim como Frozen, a imagem clássica do príncipe encantando com relação ao amor verdadeiro é modificada. Sendo que, o que funcionou no passado em décadas anteriores, com certeza não funcionaria para as meninas atuais, que são mais maduras com relação ao amor. Ou seja, a Disney está observando e o que o público realmente quer ver na tela.

Com toda essa coragem em recontar um conto tão clássico, é uma pena observar com relação ao fato da produção não ter sido mais bem cuidada, sendo que os efeitos especiais, em alguns momentos, parece que foram feitos em toque de caixa. Isso sem contar todo o elenco que, perante o belo esforço de Angelina Jolie em cena, se tornam meros coadjuvantes que somente enfeitam em cena. Pelo menos, eles surgem, mas saem logo de cena para dar lugar à verdadeira protagonista, sendo um ponto muito a favor de Angelina Jolie, que fazia tempo que não obtinha um bom papel em um grande filme.


Embora seja um de muitos filmes baseados em contos de fadas que andam surgindo atualmente no cinema, Malévola se destaca pela coragem em apresentar uma nova proposta e saber se comunicar com essa nova geração de jovens cinéfilos que nada lembram a geração de A Bela Adormecida de 1959.


Postar um comentário

Receba no seu e-mail - Cadastre-se!

Mais Lidos do blog