Parceria

16 de maio de 2014

ATÉ O FIM (All is lost, 2013)

A temática Homem vs natureza já rendeu inúmeros bons filmes, onde se coloca o protagonista no limite e em busca da sua sobrevivência. Aqui, acompanhamos a luta pela vida do personagem interpretado por Robert Redford, que vê seu veleiro gradualmente se tornar inútil perante o oceano, após ter colidido com um contêiner. O grande charme do filme é não poupar o protagonista para um descanso, pois gradualmente seu transporte vai se tornando inútil e ao mesmo tempo perigoso para si próprio.

Mesmo com os seus 77 anos nas costas, Robert Redford surpreende num papel em que se exige muito do lado físico da pessoa, que tenta sempre sobreviver a cada dia que passa em auto mar. O que temos no filme é a desconstrução de um personagem que, aos poucos, vê o seu transporte se destruindo para, então, se tornar uma arma contra si mesmo.

A beleza da obra está no fato de vermos aquele cenário em alto mar aos poucos se desintegrando e fazendo com que o protagonista lute para não perder sua própria sanidade. Até o fim é um filme raro de se ver, já que quase não há diálogos, visto que há somente um personagem em cena. Quando ele solta algumas palavras, é somente para pedir socorro no rádio ou quando fala um palavrão em auto e bom som, após suas tentativas de sobreviver fracassam.

O diretor J. C. Chandor demonstra ser um verdadeiro perfeccionista nas cenas, onde destrincha todo aquele ambiente que, aos poucos, vai mudando, assim como o protagonista, tanto fisicamente como mentalmente. Com uma belíssima trilha sonora que sintetiza o terror de se estar só no meio do oceano, Até o fim somente peca nos seus segundos finais, que dá a ligeira sensação de se estar assistindo a dois finais diferentes e que destoa um pouco a real proposta do filme.


Postar um comentário

Poderá gostar também:

Receba no seu e-mail - Cadastre-se!

Mais Lidos do blog