Parceria

17 de dezembro de 2012

AMANHECER - PARTE 2 (Breaking Dawn - Part 2, 2012)

A saga Crepúsculo chegou ao fim na produção mais fraca de toda a franquia.

Como todo sucesso de bilheteria, as produções fílmicas da saga Crepúsculo não poderiam passar despercebidas pelo Cinema Sem Frescura. Então, mesmo não esperando muita coisa, fui obrigado a assistir a todos os episódios, inclusive este último.

Na crítica a Amanhecer - Parte 1, eu comentei que a Saga Crepúsculo não podia ser tachada de ruim, pois, para o que ela se propõe desde o início, ela consegue... é eficaz, mas não é eficiente. O último filme não foi bom e a expectativa era de que Amanhecer - Parte 2 tivesse um final épico, motivador, e que, quem sabe, salvasse a série. Infelizmente, para os fãs da obra de Stephenie Meyer, é provável que toda a obra caia no esquecimento em alguns anos e não seja mais do que uma fase nas vidas do atores principais que estão crescendo em suas carreiras: Kristen Stewart, Robert Pattinson e Taylor Lautner.

A questão é que Amanhecer - Parte 2 simplesmente não funciona. Para começar, a história é fraca e só tem como ápice a luta entre vampiros e o surpreendente final da batalha. Fora isso, a exibição até mais da metade do filme é entediante. Outra coisa irritante - e aí a culpa é da própria autora - é transformar Vampiros em mutantes no melhor estilo X-Men... a fuga do estereótipo do Drácula em toda a saga, só atrapalha. Já não basta o sujeito ser imortal, mais rápido e mais forte que seres humanos? Eles ainda precisam de superpoderes? Isso só tornou a série mais infantil do que adolescente.

Falando nisso, os efeitos visuais estão mais para "defeitos" especiais. Renesmee, a filha de Edward e Bella é assustadoramente mal-feita digitalmente. A tentativa de adaptar digitalmente o rosto de diferentes atrizes mirins a uma mesma face, não funcionou muito bem... entre outras gafes.

Pior ainda são as atuações, muito superficiais, sem emoção. quem se destaca, obviamente é o gabaritado Michael Sheen ao interpretar o afrescalhado Aro, líder dos Volturi. Quanto à direção de Bill Condon, bem... tanta coisa mal-feita tem um culpado central e a produção toda parece de filme feito para TV.

Os fãs que me desculpem, mas a fraca primeira parte conseguiu ser um pouquinho menos ruim que este final.

Para quem ainda quer assistir, boa sorte!

Até a próxima.

Receba no seu e-mail - Cadastre-se!

Mais Lidos do blog