Parceria

14 de novembro de 2012

CÉSAR DEVE MORRER (Cesare Deve Morire, 2011)

Ontem, durante o lançamento da 9ª Seleção de Filmes, os veículos de mídia e blogs convidados também participaram da cabine de imprensa da obra "César deve Morrer". O longa italiano, dos diretores e roteiristas Paolo e Vittorio Taviani, foi vencedor do Urso de Ouro e do Prêmio Ecumênico do Júri do Festival de Berlim 2012. Além disto, recebeu o prêmio David de Donatello 2012 de: Melhor Direção, Melhor Edição, Melhor Filme, Melhor Produtor e Melhor Som. Querem saber os motivos de tantos prêmios? Nossa crítica apresenta alguns deles...

O roteiro é uma adaptação da peça teatral "Julius Ceasar", de ninguém menos do que William Shakeaspeare. Obra já muito encenada, recebe neste filme os geniais tons dados pelos irmãos Taviani, ao misturarem teatro, documentário e drama. 

A trama retrata a preparação e a encenação da peça numa montagem feita por detentos reais da penitenciária de segurança máxima Rebibbia, na Itália, cujas dependências também servem de locação. A história começa pelo fim: o último ato da apresentação teatral no auditório do presídio, apresentado em cores. Após isto, a fotografia da obra (feita por Simone Zampagni) se dá em preto e branco e mostra os testes de elenco, a preparação para a peça e os ensaios, em um registro feito in loco pelos cineastas, ao longo de seis meses. 

O material documental, através da magistral edição de Roberto Perpignani (de "Último Tango em Paris" e "O Carteiro e o Poeta"), ganha o tom de ficção e linearidade narrativa, efetivamente contando o enredo shakespeariano. Esta sensação se dá, sobretudo, pelas trocas de diálogos do elenco, que ocorrem tanto nos ensaios, quanto nas diferentes situações de seu confinado cotidiano. De tão bem conduzida, a trama faz o espectador até mesmo acreditar que as dependências de Rebibbia, são, na verdade, o Senado, as praças e os pátios de Roma. Tudo isto, embalado pela pungente trilha sonora de Giuliano Taviani e Carmelo Travia.
Contudo, esta veracidade não seria possível sem a entrega e a competência técnica dos presos/atores. Por isso, todos devem ser nominados: Cosimo Rega, Salvatore Striano, Giovanni Arcuri, Antonio Frasca, Juan Dario Bonetti, Vincenzo Gallo, Rosario Majorana, Francesco De Masi, Gennaro Solito, Vittorio Parrela, Pasquale Crapett, Francesco Carusone, Fabio Rizzuto, Fabio Cavalli e Maurilio Giafreda.  Ao atuarem nesta trama de tirania, conspirações e mortes, como é a peça Julius Ceasar, transpõem seus dramas pessoais para o palco e para a tela, onde suas vidas sofrem também uma espécie de catarse. Interessante é que no filme, seus nomes, suas origens e seus crimes são citados, mas não são ressaltados. Porque a maior e mais forte mensagem da obra é a de que a arte pode transformar e sublimar isto tudo, ainda que momentaneamente. A fala de um deles é emblemática: "No momento em que conheci a arte, esta cela se tornou uma prisão." 

Enfim, as razões para as premiações de "César deve Morrer" são estas e muitas mais e fazem com que o filme mereça ser assistido. A oportunidade é a 9ª Seleção de Filmes, então, aproveitem!

- por Raquel Selbach M. Colombo


13 de novembro de 2012

Seleção de Filmes entra em sua 9ª edição

O Cinema Sem Frescura, dentre um seleto grupo de jornais e blogs, participou hoje do evento de lançamento da programação da 9ª edição da Seleção de Filmes, em Porto Alegre.

A mostra é uma iniciativa do grupo Zaffari Bourbon, com produção executiva da Panda Filmes, e traz 20 títulos nacionais e internacionais ao sul do país, antecipando o lançamento de várias obras. Sua programação é pensada de forma a priorizar a exibição de filmes que ainda não tem distribuição garantida no Brasil.

Além da capital gaúcha, os municípios de São Leopoldo e Novo Hamburgo estão confirmados como parte do circuito exibidor do evento. Entre os dias 22 e 29 de novembro, os cinéfilos poderão conferir produções inéditas, em sua maioria longas-metragens de ficção, advindos de diferentes países da América e da Europa.

A Seleção de Filmes tem o objetivo de fomentar a diversidade cultural, aproximar as cinematografias de diferentes países e formar novas plateias. Contando, pelo segundo ano consecutivo, com o financiamento da Lei de Incentivo do Estado do RS, a 9ª Seleção de Filmes acompanha o encerramento do calendário cultural do Estado.

Nesse ano, os filmes serão exibidos em cinco salas de cinema dos shoppings Bourbon – Espaço Itaú de Cinema (Bourbon Country e Bourbon Walling), Cinemark (Bourbon Ipiranga), Cinesystem (Bourbon São Leopoldo) e Cinespaço (Bourbon Novo Hamburgo). O filme português "O Cônsul de Bordéus", de Francisco Manso e João Correa, será exibido na abertura oficial do evento, no dia 22, juntamente com o curta-metragem "O Dia em que Dorival Encarou a Guarda", de Jorge Furtado e José Pedro Goulart.

3 de novembro de 2012

Aqui é o meu lugar (This Must be a place, 2011)

No filme Aqui é o meu lugar, Sean Penn interpreta Cheyenne, um decadente astro do rock, vivendo agora no ostracismo, numa cidade da Irlanda. É engraçado como seu personagem foi caracterizado à semelhança de Robert Smith, do The Cure, mas com os trejeitos e sequelas de Ozzy Osbourne. 

Na trama, Cheyenne recebe a notícia de que seu pai, que vive nos Estados Unidos, está morrendo, obrigando-o então a regressar à terra natal. Lá, o roqueiro fica sabendo que, durante muitos anos, seu pai procurava pelo homem que o torturou no campo de concentração nazista de Auschwitz, em busca de vingança.

Para atender esse desejo póstumo, Cheyenne inicia sua jornada pelo interior da América, resultando invariavelmente em situações inusitadas, ora por sua aparência e trajes bizarros, ora pelo resquício de fama dos que ainda se recordam de seu tempo de sucesso. Um bom exemplo é a cena em que Cheyenne faz um dueto com uma criança, onde o garoto teima que a canção This must be a place, dos Talking Heads, é de autoria da banda Arcade Fire, quando na verdade se trata apenas de um cover. Ali, fica claro para Cheyenne que a geração agora é outra, seu tempo já passou e resta apenas guardar a guitarra no saco. Por falar em Talking Heads, o filme conta com a participação de David Byrne, interpretando ele mesmo, sendo mais um a prestar reverência à ex-estrela do rock. 
Traçando um paralelo com a literatura, no romance Dom Casmurro, de Machado de Assis, o personagem central, Bentinho, resolve “atar as duas pontas da vida”, refletindo sobre sua juventude e a velhice, e de como foi acabar amargo e infeliz. Em Aqui é o meu lugar, Cheyenne faz o mesmo, ao tentar resolver seus problemas e pendências familiares e se deparar com a estranheza de sua própria existência.

Se a vida de Cheyenne foi um tanto sombria, a história do filme é tratada de uma forma leve e divertida; o show um dia pode terminar, mas a reflexão sempre pode ser exercida. E isso também, como demonstra esse filme, pode render um ótimo entretenimento.

- por Huanri Lin.

1 de novembro de 2012

Reservas para Novembro

Novembro chegou e todos começam a organizar as festas de fim de ano, mas também é hora de planejar o que pegar no Cinema. São tantas as opções que a gente fica meio zonzo. Por isso, novamente trago um apanhado geral do que devemos dar mais atenção este mês. 
Estreia logo no dia 2 a animação “Frankenweenie”, de Tim Burton. A produção da Disney conta com as vozes de Winona Ryder e Christopher Lee. Nesta adaptação do fantástico Frankenstein, Victor é uma criança que não supera a morte de seu cão e tenta trazê-lo de volta à vida juntando seus pedacinhos. 
Para dia 9 temos o argentino “Elefante Branco”. O drama conta como dois padres e uma assistente social lutam para solucionar os problemas do seu bairro, entrando em conflito com a igreja, governo, traficantes e a polícia. O elenco conta com o excelente Ricardo Darín (de “Um conto Chinês”). Quem desejar algo mais leve, pode se interessar por “Histeria”, uma comédia romântica sobre a invenção do vibrador feminino, que estreia no mesmo fim de semana. 
Um dos mais esperados é “O Homem da Máfia” que traz às telas Brad Pitt, Ray Liotta e James Gandolfini juntos em um filme sobre um matador profissional que investiga um assalto a um jogo de pôquer protegido pela máfia. O longa estreia dia 15, mesma data de “Amanhecer: Parte 2”, o final tão esperado pelos fãs da saga Crepúsculo.
Curvas da Vida” chama a atenção pelo elenco: Clint Eastwood, Amy Adams, John Goodman e Justin Timberlake. O filme mostra um velho olheiro de baseball que leva sua filha para sua última viagem de recrutamento de jogadores onde ambos conhecerão mais sobre suas vidas. A produção dá as caras por aqui no dia 23. 
Já no dia 30 teremos a comédia brasileira “Os Penetras” com Marcelo Adnet e Eduardo Sterblitch. Na história, os antagônicos Beto e Marco vivenciarão as situações mais inusitadas e hilariantes do reveillon carioca, à procura de Laura, namorada de Beto e cobiçada por Marco.
Para encerrar em clima natalino, a Dreamworks traz a “A Origem dos Guardiões” sobre como Papai Noel e Coelho da Páscoa reúnem um grupo de seres folclóricos para combater o Bicho-Papão. A animação conta com as vozes de Jude Law e Hugh Jackman. 
Agora é só se programar e se divertir. Até a próxima!

Receba no seu e-mail - Cadastre-se!

Mais Lidos do blog