1 de junho de 2011

Top 10 Filmes de Luta

Filmes de artes marciais nunca foram levados à sério. Isso porque normalmente o roteiro é tão fraco quanto o elenco, diretor e produtores. Fato é que, desde Bruce Lee, este é um gênero que surgiu no meio dos filmes de Ação e conquistou um público bem fiel, principalmente entre adolescentes homens. A história é o menos importante, mesmo que alguns desses filmes tenham conseguido algum prestígio, o importante aqui é ver as coreografias e a pancadaria. Não incluí aqui dramas maravilhosos que tinham alguma arte marcial como pano de fundo, mas que o objetivo real fosse mostrar o potencial dos atores e coreógrafos.

Confira!

10. Difícil de Matar (Hard to Kill, 1990)
Apesar de ser um grande artista marcial, Steven Seagal se caracterizou por fazer filmes de ação. Ele é sempre o herói de "rabo de cavalo", segurando uma arma. A questão é que ele conquistou o seu público com o que ele faz quando ele perde a arma ou fica sem balas... você fica pensando "ok, ele não precisava mesmo da arma".

Em Difícil de Matar, seu personagem, o detetive Mason Storm, fica 7 anos em coma, após um atentado que mata sua esposa. No dia em que ele sai do coma, ele já sai arrebentando um monte de bandidos, ainda na maca... até ser ajudado pela enfermeira que cuidava dele no hospital a fugir para se recuperar e buscar vingança. Apesar de ter poucas cenas de luta, este clássico do Cinema Em Casa, só fez sucesso porque é o que todo mundo esperava, "pancadaria". (Por que ninguém fez a barba dele em 7 anos???)


9. O Tigre e o Dragão (Wo hu cang long, 2000)
Não é um de meus filmes favoritos, mas é um belo filme. Surpreendeu todo o mundo após ganhar 4 Oscars. Com a direção de Ang Lee, ele traz Yun-Fat Chow, Michelle Yeoh e Ziyi Zhang num filme que conseguiu aproximar a cultura oriental com o Cinema Ocidental. Na trama, na época da Dinastia Ching, a história das duas mulheres, excelentes lutadoras, se cruzam e elas embarcam numa violenta jornada, que as força a fazer uma escolha que muda suas vidas.

As lutas são uma verdadeira obra de arte. A fotografia, então, nem se fala.


8. Tartarugas Ninja 2: O segredo de Ooze (The Secret of the Ooze, 1991)
Ainda no embalo dos filmes de Ninjas nos anos de 1980, as jovens tartarugas mutantes ninjas (viciadas em pizza) levaram legiões de fãs aos cinemas para assisitir a Leonardo, Donatelo, Michelangelo e Rafael enfrentar novamente o Destruidor e tentar descobrir o segredo de como eles se tornaram humanóides.

O filme conseguiu trazer David Warner para dar peso ao drama, como o cientista responsável pelo Ooze, e
Ernie Reyes Jr., que era um jovem e promissor artista marcial em ascenção (lembram de Surfistas Ninjas?), mas que acabou virando só mais um coadjuvante em cenas de ação ou protagonista em filmes B. No entanto, é a coreografia bem sincornizada das lutas, combinada com humor das quatro tartarugas, que dão charme a este filme.


7. O Grande Dragão Branco (Bloodsport, 1988)
Em um dos primeiros filmes de sua carreira, Jean Calude Van-Damme interpretou Frank Dux, o cara que entra em um torneio clandestino, o Kumite, para honrar seu mestre, Senzo.

Com uma modesta participação de Forest Whitaker, a trama é desinteressante e as atuações são horríveis, mas isso pouco importa. Neste clássico da Sessão da Tarde, todo mundo fica preso na poltrona esperando o combate final com o malvado Chong Li.


6. Cão de Briga (Danny the Dog, 2005)
Nunca fui muito fã do Jet Li, porque penso que, entre os artistas marciais clássicos, (como Jackie Chan, Bruce Lee, Steven Segal e Jean Claude Van Damme) sempre há um charme a mais, uma capacidade de atuar, além do filme de luta. Apesar de ele ter feito alguns interessantes, para mim, ele é o que mais personifica a situação "desculpa para pancadaria". Outro bom exemplo seria 'Romeu tem que Morrer', mas Cão de Briga conseguiu trazer Morgan Freeman e Bob Hoskins, além de ser dirigido por Louis Leterrier.

Criado com um verdadeiro cão de briga desde os 4 anos, Danny (Li) um dia descobre um lado humano e tem que lutar para sobreviver e acabar com o sistema de lutas clandestinas.


5. Mortal Kombat (1995)
Baseado na mitologia criada para o jogo de videogame de mesmo nome, o roteiro foi escrito pelos mesmos criadores, Ed Boon e John Tobias. O filme conta com Robin Shou como protagonista, vivendo o papel de Liu Kang, mas traz Cary-Hiroyuki Tagawa, Christopher Lambert e Talisa Soto no elenco. Na história, Kang e outros guerreiros da Terra são convocados para um torneio pela salvação da Terra contra Shao Khan, Sheng Tsung e o seu exército maligno.

As lutas são tão bem feitas e há uma preocupação tão grande em não ser violento, mas mostrar a beleza das lutas. Lembro que na época em que saiu o filme, muito se falou sobre uma possível candidatura ao Oscar para filmes de luta, sempre tão desmerecidos.


4. Clube da Luta (Fight Club, 1999)
Um filme que merece ser visto mais de uma vez. Clube da Luta traz uma trama bem interessante e é realmente um ótimo filme. Só o fato de trazer Brad Pitt e Edward Norton no mesmo filme, já seria motivo suficiente para vê-lo. Entretanto, o que movimentou todo mundo para ver esse filme era sim a pancadaria.

Ele entra no nosso 4º lugar, sem querer. Mesmo sem ter grande coreografia, tampouco grandes artistas marciais, o filme abusa da violência em suas lutas, como desculpa para um plano maior.


3. Operação Condor - Um Kickboxer Muito Louco, (Fei ying gai wak, 1991)
Apesar de Jackie Chan ter ficado mais conhecido ultimamente por seus filmes em parceria com Hollywood (Hora do Rush, Bater ou Correr), Operação Condor é um clássico do Cinema em Casa que eu adoro. Não só porque é engraçado, mas porque eu acho realmente impressionante tudo o que Chan consegue fazer numa cena de poucos segundo.

No filme, Chan é Condor, um agente secreto designado para encontrar um valioso tesouro que os nazistas supostamente esconderam no Norte da África durante a Segunda Guerra Mundial. No deserto do Saara, ele logo descobre que não é o único interessado nessa busca; um grupo de mercenários terroristas liderados por um ex-nazista também quer se apoderar da fortuna.


2. O Desafio Mortal (The Quest, 1996)
Sim, mais um filme com Van Damme, mas afinal, o cara é o mestre mesmo no quesito artes marciais, mesmo que ele tenha evoluído consideravelmente o nível de interpretação (vide O Legionário, que ele não dá nem um chutinho e JCVD, uma drama bem humorado sobre ele mesmo).

Com um toque histórico, Jean Claude interpreta Christopher Dubois, um lutador que aprende Muay Thai e entra para um torneio com os maiores lutadores do mundo pelo substancial prêmio de um drgão de ouro. Ele não dá bola para o título e faz um acordo com o Lord Edgar Dobbs (Roger Moore) para ajudá-lo a entrar no torneio, em troca do prêmio máximo. A temática do filme lembra um pouco o Grande Dragão Branco e até mesmo o jogo Street Fighter, por causa de ter um lutador de cada país, especializado na luta daquele lugar.

Esse sim, é uma história banal como desculpa para um festival de artes marciais (tem boxe, Kung Fu, Muay Thai, Capoeira, Sumô, entre outros.)


1. O Voo do Dragão (Meng long guo jiang, 1972)
Apesar de meu filme preferido de Bruce Lee ser "O Dragão Chinês" (1971), fiquei na dúvida entre este e o clássico "Operação Dragão", o último do grande artista. Entretanto, o Voo do Dragão  (em inglês, Way of the Dragon) tem a grande luta entre Bruce Lee e Chuck Norris que, por si só, já é uma obra de arte mesmo antes da luta começar.

Na história, o personagem de Lee, Tang Lung, vai para Roma ajudar uma amiga a se livrar de uns mafiosos. A máfia, em contra-partida, contrata uns caras malvados para acabar com Lung. Depois de bater em todo mundo, sobra o grande campeão mundial de karatê (personagem de Chuck Norris) e, pasmem, Norris toma a maior surra de sua vida, dentro do Coliseu.

Nesta obra-prima, Bruce Lee, produziu, roteirizou, dirigiu, coreografou as lutas e atuou. O maior artista marcial do século XX, não mereceria outro lugar. Confira abaixo o trecho do filme com a melhor luta de todos os tempos.



E para você, quais são seus filmes de luta favoritos? Comente!


Postar um comentário

Mais lidos da semana