Parceria

30 de maio de 2011

Bonequinha de Luxo (Breakfast at Tiffany's, 1961)

Hoje temos mais uma ótima crítica do Víctor Costa. Ele nos presenteia com sua visão sobre este clássico do Cinema. Sem mais, apenas curtam o que ele tem a nos dizer:

Acho que os clássicos são fundamentais para a compreensão da evolução cinematográfica e esse filme, sem dúvida, é um marco do cinema mundial. O cinema é realmente fantástico. Ele é a melhor forma de fazer da fantasia uma realidade. É o presente perfeito para aqueles que querem esquecer a secura do cotidiano e viver durante alguns momentos a realidade da ficção. Porém, alguns filmes são tão completos, tão perfeitos e tão arrebatadores (e não confundam isso tudo com grandiosidade) que, às vezes, conseguem, de fato, tornar-se real. É como se o filme tomasse vida e mudasse a esfera das pessoas que o cercam.

Um exemplo perfeito de um fenômeno como esse é "Bonequinha de Luxo" de Blake Edwards, que consegue alçar voo e fugir dos limites da tela do cinema. Holly Golightly (Audrey Hepburn) é uma prostituta de Nova Iorque que meteu uma coisa na cabeça: precisa se casar com um milionário. Muda-se então para o prédio onde mora o escritor Paul Varjak (George Peppard), que é um michê fixo de uma madame casada. Ele, envolvido pela simpatia, autenticidade e inocência de Holly, e ela, admirada pela beleza, cumplicidade e mistérios do novo vizinho, acabam se apaixonando, o que atrapalha as aspirações de riqueza da bonequinha de luxo.

Agora sim vem a resposta para a pergunta: porque "Bonequinha de Luxo" é um filme que vive na realidade? Simples... Essa faceta se dá unicamente pela estonteante, viva e incrível Audrey Hepburn. Ela não atua no filme, apenas vive. Não existe mais distinção entre a decidida Audrey e a inocente Holly. Elas se confundem mergulhadas numa singela fusão entra a magia do cinema e o glamour bruto da existência, o que faz de Audrey a eterna Bonequinha de Luxo, descarregada de exigências e espontânea nas piscadelas, e caminhadas. Para ilustrar essa assertiva, tomemos como exemplo a cena em que Holly (ou Audrey, a essa altura impossível distinguir), canta a música "Moon River", sentada no parapeito de sua janela. Nesta cena, que dura por volta de um minuto, o espectador se vê enamorado por uma atriz que, vestida da bonequinha perfeita, nos mostra como que as peculiaridades da vida, incluindo a brisa doce da tarde e o calor aconchegante da primavera, podem nos transformar em mera fantasia, assim como ela torna a mágica Holly em verdadeira Audrey.
Outro aspecto importante dessa transcendência é o filme trazer para a tela pormenores cotidianos da vida em Nova Iorque. O nome original do longa, "Breakfast at Tiffany´s", já nos mostra como que a cidade é homenageada (Tiffany é uma grande loja nova-iorquina de jóias). A sociedade burguesa da época, a sua fome por bebida, festas, mulheres e música também é retratada na película, demonstrando que este filme, além de uma porta para a alma da atriz que vive a protagonista, é também um passeio pela maior cidade do planeta. Um filme perfeito para se ver em qualquer momento do dia e com qualquer ou nenhuma companhia, "Bonequinha de Luxo" é um clássico de comédia romântica que nos entretém, diverte, emociona e encanta. E tenho certeza que, depois de assisti-lo com a merecida paixão inerente aos amantes do cinema, vocês poderão transcender das suas poltronas, assim como a incrível Audrey Hepburn fez, tornando-se a personificação perfeita do glamour competente e singelo do Cinema.

27 de maio de 2011

Estreias: Se Beber, Não Case 2; O Poder da Lei; Um novo Despertar.

SE BEBER, NÃO CASE 2 (Hangover: Part II, 2011)

Todd Phillips está novamente de volta com a turma de beberrões formada por Bradley Cooper, Ed Helms, Zach Galifianakis e Justin Bartha. Dessa vez o cenário é a Tailândia, no casamento de Stu. As coisas novamente saem do controle e, como o que aconteceu em Las Vegas, no primeiro filme, eles precisam tentar lembrar o que aconteceu na noite passada. Estivemos na premiere do filme e você pode saber o que esperar dessa hilária comédia lendo aqui.




UM NOVO DESPERTAR (The Beaver, 2011)

Dirigido pela própria Jodie Foster e com Mel Gibson e Jennifer Lawrence (de Inverno da Alma) no elenco, este drama conta a história de Walter Black (Gibson), que sente ter chegado ao fundo do poço quando sua esposa, Meredith (Foster), o expulsa de casa. Um dia, Walter encontra um fantoche de mão (um castor de pelúcia), no lixo, e descobre, assim, uma nova vida através das dicas do Castor, e se reaproxima de sua família e volta ao seu trabalho. As coisas, no entanto, começam a dar errado novamente quando O Castor começa a tomar por completo o controle da vida de Walter.

Parece se uma interessante volta de Gibson às telas, e um drama pessoal tratado com bom humor. Acho que vale a pena conferir. Curta o trailer.



O PODER E A LEI (The Lincoln Lawyer, 2011)

Dirigido por Brad Furman o filme conta com ótimo elenco, trazendo Matthew McConaughey, Josh Lucas, Ryan Phillippe, Marisa Tomei, William Macy e John  Leguizamo.

Michael Haller (McConaughey) é um advogado que tem escritório dentro do carro e anda pela cidade buscando oportunidades de ganhar dinheiro. Seu alvo preferido são serviços fáceis, onde o dinheiro é garantido! Até o dia em que ele se depara com o caso que promete mudar sua vida. Ele terá que defender o jovem playboy, Louis Roulet (Phillippe), detido por agressão e tentativa de estupro. Rapidamente o caso mais fácil e rentável de sua carreira, acaba jogando Michael numa assustadora situação em que terá que defender sua família.

Pelo trailer (abaixo) o filme parece ter uma estética bem interessante e se propõe a mostra que Matthew McConaughey não serve só para filmes de aventura e romance bobinhos. Acho que pode ser uma das surpresas do ano.

26 de maio de 2011

Se Beber, Não Case! 2 (The Hangover Part II)

Mais uma vez, a convite da querida amiga, Karina Fröhlich, da Zero Hora, o Cinema Sem Frescura marcou presença na pré-estreia do filme Se Beber Não Case 2, no CineSystem do Shopping Total, em Porto Alegre, com exclusividade. O filme estreia sexta-feira nos cinemas. Adiantamos para você as novidades sem estragar as surpresas:


As minhas preocupações com a qualidade de Se Beber Não Case 2 eram consideráveis. Difícil alcançar a mesma qualidade do primeiro filme, que apesar de extremamente engraçado e charmoso, tinha um roteiro bastante raso. Quando você pega uma história sem muita profundidade como essa e tenta esticá-la para uma segunda aventura, o risco do fracasso começa a se tornar bem real. Entretanto, o diretor Todd Philips tinha ótimas credencais e, mesmo que ele estragasse o filme, eu ainda o idolatraria por trazer à vida o excepcional "Dias Incríveis". O que mais me preocupava em relação a Se Beber Não Case 2 era de que o filme fosse uma cópia descarada do primeiro filme e não tivesse nenhuma graça. Mas eu estava (quase) completamente enganado.

Todd Philips conseguiu deixar claro desde a cena inicial, uma recriação quase que idêntica da abertura do primeiro filme, que não temia a comparação e abraçou o fato de que obviamente estaria fazendo um filme muito parecido com o primeiro. Muito parecido e tão engraçado quanto, ainda que com um ritmo diferente eu devo acrescentar. O grande trunfo do diretor aqui é ter esolhido uma locação exótica como a Tailândia. Enquanto o primeiro filme se passa em Las Vegas, cidade do pecado e a encarnação dos sonhos de qualquer homem em um despedida de solteiro, na sequência a ação se desenrola em Banckok, não menos pecaminosa mas um pouquinho mais perigosa do que o playground americano. A locação exótica e a repetição da situação em geral servem para deixar os personagens mais tensos e dar ainda mais urgência a trama.
A história é bastante simples, mas bem tratada. Dessa vez quem está prestes a se casar é Stu (Ed Helms) e a cerimônia será realizada na Tailândia, onde vive a familia da noiva. Ainda preocupados com as consequências da última despedida de solteiro, a irmandade de lobos decide tomar apenas uns drinks na beira da praia na noite antes do casamento. No dia seguinte, a já esperada situação acontece e eles acordam em um quarto de hotel sem lembrar nada do que aconteceu no dia seguinte e com o irmão da noiva desaparecido. Cabe a Stu, Phill (Bradley Cooper) e o insandecido Alan (Zach Galifianakis) encontrarem o garoto e voltar a tempo da cerimônia.
Como eu disse, além da premissa básica, a estrutura do filme é bastante parecida com a do primeiro, mas o diretor Philips carrega esse fardo com um certo charme. O ritmo é diferente, e o humor mais cru, porém não menos eficiente. As risadas são mais intensas e um pouco menos frequentes. Há nudez, piadas grosseiras, cenas definitivamente chocantes para os defensores dos animais e todas elas definitivamente hilárias.

O trio de personagens central não é algo que se possa chamar de brilhante, mas com certeza já conquistou o público com seu charme e a quimica de suas surpreendentes interações. É interessante notar que o público já se vendeu para o trio antes mesmo de entrar no cinema e as risadas vem fáceis a cada mínimo gesto dos personagens. Se há algum excesso por parte de Philips esse fardo recai sobre o engraçadissimo Galifianakis, seu personagem ficou um pouco mais infantil do que no primeiro filme e o diretor parece ter a idéia fixa de que apenas apontar a câmera na direção do ator já é algo engraçado (o que para muitos espectadores não está longe da verdade).

A trilha sonora continua mesclando novidades com clássicos, dessa vez revelando um pouco mais da natureza dos personagens e tem o bônus de ter Johnny Cash.

O filme diverte, na minha opinião tanto quanto o primeiro e aqueles que assistiram a "Se Beber, Não Case!" sabem que isso não é pouco, mas é um filme feito para ser assistido no cinema. Sabe aquele tipo de comédia que transforma a todos na sala de cinema em um grande grupo de amigos e o clima todo transforma as piadas um pouco menos engraçadas em algo mais divertido? Se Beber, Não Case 2 é esse tipo de filme.

25 de maio de 2011

Top 10 Pais Vingadores

Bom, todos nós estamos acostumados a ver filmes dramáticos a respeito do relacionamento entre pais e filhos. Doenças terminais aproximam pais e filhos afastados a muito tempo, mágoas são superadas depois que grandes lições sentimentais são aprendidas e obstáculos que separam duas gerações são removidos através da tenacidade e amor. Mas não é exatamente nesses pais que eu estou interessado, nesse Top 10 vamos nos voltar para os pais que arregaçam as mangas e vão fazer o trabalho sujo. Os pais que empunham escopetas, pistolas, metralhadoras e espadas e vão atrás da segurança de seus filhos, esses sim merecem um Top 10. Então vamos lá, Top 10 filmes com pais vingadores.

10- Thomas Craven - O Fim da Escuridão
Poucos antes de destruir sua carreira com escânda-los pessoais Mel Gibson tentou voltar a ser um nome respeitado atuando sob a direção do competente Martin Campbell. Gibson funciona bem como o pai vingador da filha assassinada em uma trama governamental de altos escalões e o filme é competente ao mostrar a ira de Thomas Craven ao ir atrás dos responsáveis pela morte de sua filha.

9- Jacob Fuller  - Um Drink No Inferno
O pastor interpretado por Harvey Keitel parece um personagem bem pacato no ínicio da história mas isso só dura até seus filhos serem ameaçados por vampiros psicóticos em um bar no México. Daí em diante ele saca sua espingarda em forma de cruz e uma nova admiração do espectador nasce perante esse até então desacreditado ex-pastor.

8- Maximus Decimus Meridius - Gladiador
Desafiar um imperador para vingar a morte de seu filho com certeza garante o lugar de Russel Crowe neste top 10. Um dos melhores filmes de todos os tempos, Gladiador tem um embate que me arrepia até hoje, quando Commodus (interpretado por Joaquim Phoenix) o questiona sobre a sua identidade na arena e Maximus responde: "Meu nome é Maximus Decimus Meridius, comandante dos exércitos do norte, general das Legiões Felix, servo leal do verdadeiro Imperador, Marcus Aurelius. Pai de um filho assassinado, marido de uma esposa assassinada. E terei minha vingança, nesta vida ou na próxima."

7- Harry Tasker - True Lies
Scharzenegger é um mega-espião nessa obra-prima de James Cameron. Funcionário com um emprego tedioso, tido como pacato pela mulher e desobedecido pela filha, mas isso só na superfície. O emprego na verdade é uma fachada para seu papel como espião de uma equipe anti-terrorismo. Quando Harry se envolve com um grupo que planeja uma explosão nuclear dentro do território americano eles acabam sequestrando sua filha e então cabe ao agente resgatá-la. A melhor parte do filme para mim é a expressão que a filha faz quando vê o pai pilotando um caça para salvá-la.

6- Tom Stall - Marcas da Violência
Viggo Mortensen é o icônico pai de familia nesse ótimo filme da fase mais realista de David Cronemberg. Tom Stall tem um trabalho tranquilo em uma cidade mais tranquila ainda, mas tudo muda quando gangsters começam a ameaçar sua familia depois que ele mata dois bandidos que tentavam assaltar seu bar. Quando seu filho é ameaçado, Stall começa uma matança que deixa desde os personagens, até o tom do filme, completamente alterados.

5- John McClane - Duro de Matar 4.0
Uma pena que o personagem mais lembrado de Bruce Willis entre nesse top 10 apenas em seu (até o momento) ultimo episódio. A quarta parte da série é a mais fraca de todas, mas não é nem de longe tão ruim quanto seus equivalentes em outras séries (Indiana Jones e O Reino da Caveira de Cristal, alguém?). Bom, obviamente o pseudo-terrorista interpretado aqui por Timothy Olyphant não leu a primeira regra do livro "Coisas para nunca se fazer" e a primeira delas é: nunca sequestre a filha de John McClane.

4- Chingachgook - O Último dos Moicanos
Um dos poucos não protagonistas dessa lista, o valente índio interpretado por Russel Means é, de fato, o último dos Moicanos, como explica o filme. Ele não chega a roubar o filme da ótima interpretação de Daniel Day-Lewis, mas a sua corrida final para evitar a morte do filho e o duelo mortal com o Magua (Wes Studi) com certeza fazem ele merecer o 4º lugar da lista, sem sombra de dúvida.

3- Geena Davis - Despertar de Um Pesadelo
Bom, quando eu falei "pais", eu quis me referir a entidade paterna, independente de gênero, e é justamente por isso que Geena Davis está aqui. E ela não fica devendo nada a nenhum dos pais na lista. Facadas, explosões, socos e tiros fazem parte do repertório dessa até então dona de casa com amnésia. Obviamente em meio a uma trama governamental alguns terroristas sequestram sua filha e ela tem uma desculpa oficial para mandar tudo pelos ares.

2- John Matrix - Comando para Matar
Quando um grupo de soldados comandados por um ex-ditador exilado, sequestram a filha de Arnold Schwarzenegger, só pode haver um resultado: 105 mortos em um dos filmes mais sanguinários a passar na "Temperatura Máxima"! Determinado a salvar sua filha, quase todos os seus inimigos são mortos e não interessa se ele prometeu matá-los por último ou se são Boinas Verdes ou mesmo se são sósias do Freddie Mercury, nesse filme o destino dos vilões é um só.

1- Bryan Mills - Busca Implacável
Liam Neeson tinha tudo para se dar mal com esse filme. Um roteiro raso, um diretor inexperiente e a produção de Luc Besson (que nos últimos dez anos tem sido uma receita para filmes medíocres). Mas, de alguma forma, tudo deu certo e nesse filme Neeson vai atrás dos sequestradores de sua filha como o imparável Bryan Mills. Entre tiros, torturas e muita pancadaria, Mills ainda é responsável pelo supra-sumo deleite de todo o homem divorciado: mostra que é o herói e prova para sua ex-mulher que ela sempre esteve errada. Quer dizer, quem não quer fazer isso e ainda dar uns tiros em Paris?

24 de maio de 2011

Remakes: Por que fazê-los?

                       
Eu estava passeando pelo YouTube e me deparei com o trailer do remake de "Sob o Domínio do Medo". O original é um clássico e controverso trabalho de Dustin Hoffman, por quê refazer esse filme? Não me entendam mal, eu não tenho nada contra remakes por si só, na verdade, alguns deles são extremamente bem vindos. "Onze Homens e Um Segredo" transformou um filme menor do Rat Pack em uma bela, divertida e inteligente franquia. "Thomas Crown - A Arte do Crime" me parece ser um remake melhor do que o original nas mãos de John McTiernan.Obviamente há exemplos não tão bem sucedidos.
Algumas vezes o remake é feito por questões técnicas. Grandes clássicos como "O Homem Que Sabia Demais", de Hitchcok e "Os Dez Mandamentos" são remakes de versões anteriores e inferiores (tecnicamente) de filmes dos próprios diretores. Porém alguns desses remakes são completamente desnecessários e simplesmente vão ladeira abaixo. "O Sacrifício" era um grande clássico de terror da década de 70 e foi refilmado com Nicolas Cage em 2006. O filme é tão ruim que é considerado como o pior da carreira de Nicolas Cage (e isso significa: realmente ruim) e virou piada no YouTube.  Outro que conseguiu estragar uma carreira consagrada foi Gus Van Sant com a refilmagem cena por cena do clássico Psicose. O remake nesse caso é tão ruim que chega a manchar o original. Nem Jason e Freddy Krugger escaparam e tiveram remakes de suas versões originais em 2009 e 2010 respectivamente. Os filmes nesse caso eram medianos e não fizeram muito sucesso.
Mas a questão aqui é, qual a motivação por trás desses remakes atuais? Não existem mais histórias originais em Hollywood? O meu primeiro impulso aqui é imaginar que os produtores estariam atrás de histórias já consagradas e que já garantissem o ingresso dos fãs da primeira versão. Mas, se analisarmos a maioria dos remakes, essa não pode ser a força por trás dessa onda. Afinal, vários desses filmes são muito antigos e um número significativo deles não teve uma performance mais do que razoável na bilheteria. Talvez a questão seja a relação de familiaridade com um determinado produto ou mesmo a facilidade com que uma história que já foi feita tenha em ser lavada a cabo novamente.

Produções estrangeiras que não são em lingua inglesa também frequentemente são refilmadas. Scorcese fez isso em Os Infiltrados, remake de Infernal Affairs, uma produção de Hong Kong. Vanilla Sky com Tom Cruise, remake do espanhol Abre Los Ojos, e Cidade dos Anjos, remake do alemão Asas do Desejo, ficaram bem aquém dos originais. Os anos 2000 foram marcados por remakes como esse principalmente no campo do terror. O Chamado, O Grito, e Água Negra são todos refilmagens de filmes de terror orientais e atestados de que a criatividade em Hollywood andava em baixa na última década. Particularmente, como não faz diferença para mim em qual língua seja falado, eu vou ler a legenda e não me importo com remakes feitos exclusivamente para o espectador americano. Normalmente, o produto original é melhor como nos mostram Rec, filme espanhol refilmado para o mercado americano como "Quarentena", e "A Assassina", versão americana do aclamado francês "La Femme Nikita".

"Furia de Titãs", "Karate Kid" e "O Dia em Que a Terra Parou" são clássicos que não precisavam de novas versões, porém essa é uma lição difícil de aprender se analisarmos que, segundo o site Brainstorm 9, dentre os 100 filmes que mais arrecadaran nos últimos 10 anos, 74 são refilmagens, adaptações ou continuações. Obviamente há uma vantagem (ao menos financeira) em se reutilizar material para um filme. Somando-se a isso o fato que das 26 que sobram, um bom número é baseado em "fatos reais" (sim, eu sei... todo fato é real) podemos estar assistindo a maior crise de histórias originais até hoje.
 Eu tenho que admitir que há de fato uma relação eficiente, ainda que tênue, na familiaridade com um material antigo e já produzido anteriormente. Eu, de fato, pretendo ir assistir a "Sob o Domínio do Medo" quando estreiar, e vou fazer por nenhum outro motivo além de ser uma refilmagem de um excelente e polêmico filme do grande Dustin Hoffman. Se isso é bom ou não, eu não sei, mas as produções de remakes de Robocop (sob o comando do brasileiro José Padilha), Highlander e O Vingador do Futuro estão a todo vapor e eu pretendo assistir a todas elas.

E você, quais remakes você gostou e quais odiou?

23 de maio de 2011

O Quinto Elemento (The Fifth Element, 1997)

Aqui está um excelente filme que sempre foi subestimado. Luc Besson começou a escrever a história aos 17 anos e só pôde filmar aos 38. Ao que parece ele esperava criar uma nova ópera-espacial (em algumas cenas, literalmente) ao estilo Star Wars. Bem, mas isso é especulação e o fato é que o filme não agrada por seu esmiuçamento de diferentes raças, planetas e naves, e sim pela diversão que garante ao longo de suas mais de duas horas. Besson pega os mais utilizados clichês e improbabilidades (a garota alienígena salta justamente no taxi do ex-militar que o governo quer que salve o planeta com a ajuda dela) e transforma em um amontoado colorido e divertido de sequências de ação e humor.

Um detalhe interessante, que quase todos os filmes sobre o futuro erram (e erram feio), é na "advinhação" das vestimentas no futuro. Afinal o que estará na moda daqui a 250 anos? Difícil de imaginar e certamente eu não tenho a resposta certa, mas quando se passam pelo menos dez anos e você ainda não parece ridículo com o figurino é uma boa indicação de que está no caminho correto, infelizmente nem todos tem essa sorte (dê uma olhada em Sean Connery em Zardoz de 1974 para ter uma ideia). Esse é certamente um aspecto ignorado na maioria dos filmes que não é de época: o figurino. Se O Quinto Elemento acerta é porque Besson trouxe um nome de peso para o trabalho, Jean Paul Gaultier desenhou mais de 954 vestimentas para o filme.

Sean Connery (Zardoz, 1974)
Entretanto, há mais em O Quinto Elemento, há um clima de diversão que se perpetua pelo filme. Diversos erros dos atores são mantidos intactos na versão final. Em um determinado momento até mesmo Ian Holm (que interpreta o personagem Padre Vito Conrnelius) chama o personagem de Bruce Willis de Sr. Willis e é rapidamente corrigido pelo mesmo: "Dallas".


Em outras cenas, fica evidente que os atores não conseguiram conter as risadas e respiram fundo, seguindo com suas falas como se nada tivesse acontecido. Até mesmo o roteiro tem pontos engraçados e criativos. Bruce Willis e Gary Oldman (como sempre, ótimo), herói e vilão da trama, respectivamente, jamais se encontram ou se comunicam de qualquer forma e o único confronto real que Oldman tem com um dos heróis da trama é quando ele se engasga e Holm dá uma lição de moral nele antes de socorrê-lo.

As interpretações são algo bem além do que se esperaria em um filme tão divertido e cheio de ação. Milla Jovovich realmente merecia algum prêmio, nem que fosse um indicação ao Globo de Ouro, por sua interpretação da alienígena Leeloo. Ela e Besson desenvolveram uma linguagem própria para se comunicarem e darem mais veracidade ao dialeto alienígena da personagem, algo que ela faz de uma forma bem mais natural do que Jodie Foster em Nell (outro filme no qual a personagem falava uma linguagem inventada). Chris Tucker ainda era engraçado e tem belos momentos na pele de Ruby Rhod, um apresentador de talk show incontrolável.
A trilha sonora, cortesia de Eric Serra é ótima e mistura vários ritmos, desde baladas algerianas até ópera e trance music. Para quem ainda não viu  é imperdível, para quem já assistiu, vale a pena rever.

20 de maio de 2011

Estreias 20/05/2011 - Piratas do Caribe 4, O Último Vôo do Flamingo, Santa Paciência, Transcedendo Lynch.

Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas (Pirates of the Caribbean, On Strange Tides, 2011)
O Capitão Jack Sparrow encontra uma nova aventura quando quando vai resgatar seu amigo, Gibbs (Kevin McNally) e cruza com sua ex-paixão, a pirata Angelica (Penelope Cruz), que está usando seu nome para recrutar marujos e ir em busca da Fonte da Juventude. O que ele não espera é ter que se deparar com o pirata mais temível de todos, Barba Negra (Ian McShane).

Com certeza, será a opção mais divertida do seu final de semana, como você pode conferir a crítica feita pelo João Colombo, AQUI.


O Último Vôo do Flamingo (O Último Vôo do Flamingo, 2010)

Poucos meses após o fim da Guerra Civil em Moçambique, cinco explosões matam tantos soldados quanto a Missão de Paz das Nações Unidas e a prova do crime são apenas capacetes emblemáticos azuis. É a partir daí que começam as investigações feitas pelo Tenente-Coronel Massimo Risi.

Filme baseado na obra homônima de Mia Couto, dirigido por João Ribeiro, traz no elenco Alberto Magassela e Adriana Alves, parece ser uma interessante história sobre luta e guerra.


Santa Paciência (The Infidel, 2010)

Quando descobre que é adotado, o muçulmano Mahmud Nasir (Omid Djalili) descobre que vem de uma família judia e entra em crise de identidade.

Uma divertida comédia dirigida por Josh Appignanesi, parece ser aquele tipo de filme onde a vida da pessoa muda drasticamente e ela entra em crise, mas de uma maneira cômica.




Transcendendo Lynch (2011)

Documentário que fala sobre a passagem de David Lynch pelo Brasil a fim de divulgar sua obra "Em Águas Profundas: Criatividade e Meditação".Direção de Marco Andrade.

Eu não me interessaria por ver esse documentário, é mais indicado para fãs de Lynch.

19 de maio de 2011

Piratas do Caribe: Navegando Em Águas Misteriosas (Pirates of the Caribbean: On Stranger Tides, 2011)

A convite da minha querida amiga, Karina Fröhlich, da Zero Hora, o Cinema Sem Frescura marcou presença na Premiere do novo filme dos Piratas do Caribe, da Walt Disney, no CineSystem do Shopping Total, em Porto Alegre, com exclusividade. Confira à minha crítica do filme Navegando em Águas Misteriosas:

O novo filme traz de volta alguns poucos personagens da primeira trilogia, como o protagonista Jack Sparrow (Johnny Depp), seu amigo (e arquinimigo) Barbossa (Geofrey Rush), o primeiro imediato do Pérola Negra, Gibbs (Kevin McNally) e o pai de Sparrow, Capitão Teague (Keith Richards, dos Rolling Stones). Esqueçam Orlando Bloom e Keira Knightley, que eram os protagonistas dos primeiros, a nova saga traz a charmosa Penélope Cruz no Papel da bela Angélica, uma ex-namorada de Sparrow, com muita mágua e, consequentemente, muita paixão, mas com um pequeno problema, é filha do pior dos piratas do mundo, o Barba Negra (Ian McShane).

O filme traz uma nova aventura do Capitão Jack Sparrow que, de volta em Londres, descobre que alguém se passando por ele está recrutando marujos para uma nova empreitada. Tudo não passava de uma armação para encontrarem o original, peça fundamental para que o terrível pirata Barba Negra encontre a Fonte da Juventude, pois só Jack conhece o caminho. Entre todas as enrascadas, a aventura vai contar com a disputa com os espanhóis pelos tesouros do mundo e um Barbossa "convertido" a serviço de Vossa Majestade, o rei da Inglaterra, mas o pior será ter que capturar uma sereia para que o ritual na fonte da juventude dê certo.
A trama, infantil, é ainda mais simples e menos épica que as histórias contadas na primeira trilogia. A trama tem alguns furos e certos elementos não foram tão bem explorados como poderia ter sido, como a própria corrida pela Fonte da Juventude contra os espanhóis, mas nada que comprometa a história com seu público-alvo.

A belíssima fotografia do filme, rodado no Havaí, por si só já bastariam para conferir o filme. No entanto, muito além de uma boa direção e uma bela fotografia, está o peso de Johnny Depp, Penélope Cruz e Geofrey Rush na tela; Depp parece não interpretar, tamanha a naturalidade na atuação de um personagem que já povoa o imaginário de uma nova geração. Não pude deixar de reparar no fato de que, qualquer frase ou gesto de Depp em cena, arrancavam as gargalhadas mais sinceras da plateia, mesmo que nem fosse algo assim tão cômico.

Uma boa comédia com tom de aventura. Fãs de Depp e da série de filmes dos piratas caribenhos, não podem perder. Não recomendo a versão 3D, pois o filme não explora profundamente este efeito e tem muitas cenas noturnas, o que dificulta a nitidez com os óculos especiais; Se tiver a opção, opte por 2D, é mais barato e não faz falta. Estreia nesta sexta-feira, nos melhores cinemas.

Última dica: Esperem o final dos créditos, cena extra especial.

18 de maio de 2011

Don Juan de Marco (1994)

Caro leitor, o texto de hoje é uma contribuição do Víctor Costa (foto à esquerda). Ele é de Salvador, Bahia, tem 21 anos, estudante de direito e, o mais importante, é apaixonado por cinema. Seu texto, sobre o clássico cult, Don Juan De Marco, é a prova de que ninguém tem que ser "crítico de cinema" para saber o que falar sobre um filme. Divirtam-se!



Há muito tempo venho querendo ver esse filme, já que não são poucos os que o consideram um dos melhores romances do cinema, mas sempre me deparava com alguma outra película que me despertava maior curiosidade. Hoje, porém, deixei de lado os lançamentos e resolvi ver esse filme, e desde logo afirmo: deveria ter visto antes.

Don Juan De Marco, com Marlon Brando e Johnny Depp, produção de Francis Ford Copolla e direção de Jeremy Leven, é arrebatador desde a primeira cena. Assistir à última conquista do galante sedutor no início do filme, nos faz perguntar como terão sido as demais conquistas que ainda não vimos? E nos surpreendemos ao perceber que o filme, na verdade, não fala apenas de conquista, galanteio e sedução (apesar de ser fácil perceber a presença de todos esses pormenores durante o filme), mas também de como o ser humano é capaz de produzir metalinguagem amando, já que é com amor que conseguimos, de fato, viver a vida exaltando-a aos quatro ventos.

Além da história magnífica, nos deparamos com um velho Marlon Brando, perceptível em seu jeito de falar, sorrir e suspirar, e um novo Marlon Brando encontrado na sutileza de sua interpretação, que é descarregada de obrigações e embebida em um sublime brilho que o faz dividir o protagonismo com Johnny Depp, que vive o personagem título do filme (e o faz com semelhante competência). Brando está impecável no papel do psiquiatra que tenta tratar a ``enfermidade mental´´ de Depp, que acredita ser Don Juan, e acaba se encantando com a história do garoto, transformando sua vida pessoal. Na mesma linha, Johnny nos surpreende com uma atuação singular, não que ele seja um mau ator, mas estava jovem, atuando com um dos melhores atores da história do cinema e isso não deve ser fácil. Ele, no entanto, se sai muitíssimo bem, e consegue conquistar não só os personagens do filme, mas também os espectadores que, da poltrona, suspiram com cada frase que os lábios de Depp recitam durante todo o tempo.
Além das atuações indiscutivelmente belas, aspectos técnicos do filme apaixonam os cinéfilos que possuem olhares clínicos para tais peculiaridades. A fotografia utilizada nas cenas que contam o passado de Don Juan nos faz sentir calor, mas não só o calor árido do sol mexicano ou tropical, mas também o calor da paixão dos beijos tórridos e palavras avassaladoras, além das imagens belíssimas, como a de um harém com cerca de mil mulheres nuas. A montagem também é um ponto positivo a mais ao filme, que consegue intercalar o presente e o passado sem confundir o espectador e tornando a narrativa uma poesia do início ao fim.

Por fim, e não menos importante, Don Juan De Marco nos apaixona e nos seduz com a trilha-sonora perfeita para o filme. A canção "Have You Ever Really Loved a Woman", cantada por Bryan Adams, fecha com chave de ouro o pacote que o filme se tranforma onde, ao ser aberto, é possível viver por pouco mais de uma hora e meia a mais arrebatadora e envolvente cegueira da paixão, padecendo, assim como o personagem de Marlon Brando, ao contagioso romantismo crônico de Johnny Depp, o Don Juan perfeito.


16 de maio de 2011

OS AGENTES DO DESTINO (The Adjustment Bureau, 2011)

O filme se propõe como romance, aventura e ficção científica, trazendo um bom elenco nas rédeas de um bom diretor, mas peca em uma trama pouco atraente, infantil e recheada de clichês.

O filme conta a história de David Noris, um jovem Deputado que se canditata a Senador pelo estado de Nova York e, quando descobre que vai perder a eleição, acaba conhecendo Elise, uma dançarina que vai virar se mundo de ponta cabeça. Quando pretende ir atrás dela e inicar um romance, David é abordado por alguns agentes de uma aparente "instituição secreta" responsável por controlar destinos e manter as pessoas no rumo do "Presidente". Este grupo informa ao jovem Deputado que ele deve esquecer a garota e nunca falar sobre eles... Se o destino não quer assim, o acaso faz a sua parte e tenta juntar os dois a todo custo. Ele percebe que tem a chance de ser um grande político ou ficar com o amor de sua vida, mas se escolher ficar com Elise, ela também perderá a chance de ser uma grande bailarina... a escolha de David vai determinar seus destinos e colocar os agentes sempre à prova de suas capacidades de executar o grande plano.

A obra de George Nolfi, mesmo com Matt Damon, Emily Blunt e Terence Stamp não convence, desde sua proposta. Pelo trailer, poderíamos imaginar um dos mais comentados filmes do ano, mas acredito que seja só mais um que vá cair no esquecimento da história. Ele se apresenta como ficção científica e, mesmo que beba da fonte de algumas questões vistas em outros filmes (como Matrix), Os Agentes do Destino se mostra como uma ficção filosofal. O problema é que uma das grandes questões da humanidade, o destino, é o tema do filme, mas o drama não é aprofundado. A aventura ocorre de forma simples, linear, sem grandes surpresas para o espectador. O romance é óbvio de mais e a mocinha tem pouca importância para resolver a situação.
O figurino dos agentes, estilo anos 1930/40, não se justifica, exceto o fato de terem que usar chapéu. No entanto, o filme abusa bem dos belos cenários que Nova York oferece naturalmente, com sua belíssima arquitetura. As atuações de Damon e Blunt não emplacam em um drama de um casal que faria de tudo para ficar junto e um grande ator como Terence Stamp não ganha o destaque necessário na história para poder aflorar o vilão necessário para tornar a trama interessante.

Enfim, achei o filme bobo e fiquei com a sensação de que faltou algo para convencer. Assistam e tirem suas conclusões, mas, na dúvida, peguem outro.

13 de maio de 2011

Estreias: Os Agentes do Destino; Caminho da Liberdade; O Noivo da Minha Melhor Amiga; Padre 3D

Os Agentes do Destino (The Adjustment Bureau, 2011)

A história de David, um político carismático que está concorrendo a uma vaga Senado Americano, está prestes a sair dos seus rumos. Ele vai conhecer Elise Sellas, uma dançarina de ballet, e acredita que ela é a mulher dos seus sonhos. Mas David percebe que há alguma coisa errada, quando uma organização tenta impedir que se relacionem.

O que poderia ser uma simples história de amor com mais uma rede de intrigas trazendo Matt Damon e Emily Blunt, parece ser uma das mais interessantes aventuras do ano, nos Cinemas. Agentes do Destino é um filme de ficção científica que vai abordar a questão do destino e até onde vai o nosso livre arbítrio.


Caminho da Liberdade (The Way Back, 2010)


Em 1940, sete prisioneiros capturados durante o regime de Stálin, aproveitam para fugir durante uma tempestade noturna e escapam de um Gulag soviético em 1940. Apesar de livres, eles não tem a certeza de uma vida tranquila, principalmente porque a jornada rumo à segurança depende de uma paisagem implacável.

Baseado em relatos reais, o filme do excelente Peter Weir, traz Colin Farrel, Jim Sturgess e Ed Harris na aventura que deve ser a mais interessante das estreias desse fim de semana. O elenco de peso e a belíssima fotografia que o trailer nos mostra, já nos motiva a querer saber como a história se desenvolve e termina.





O Noivo da Minha Melhor Amiga (Something Borrowed, 2011)


Rachel é uma advogada correta que, na comemoração, dos seus 30 anos, bebe demais e se envolve com Dex, amigo de faculdade e noivo da sua melhor amiga Darcy. Rachel será madrinha do casamento e vai ter que lidar o drama de conciliar os preparativos da festa, seus sentimentos que descobriu que tem por Dex e a amizade de infância com sua melhor amiga, a noiva traída.

Mais uma comédia romântica com Kate Hudson, em uma temática já batida com Julia Roberts em "O Casamento do Meu Melhor Amigo", só que numa situação mais constrangedora. Deve garantir boas risadas e pode ser uma alternativa para um fim de semana mais light.





Padre (Priest, 2011)


Imagine o mundo devastado por uma guerra entre humanos e vampiros. Com o final do combate, um Padre Guerreiro é forçado a viver escondido entre os cidadãos comuns em uma cidade completamente controlada pela Igreja. Tudo muda quando sua sobrinha é sequestrada por um grupo de vampiros, que estão voltando a atacar. Contrariando ordens da Igreja, ele parte em busca de sua família, contando com a ajuda do namorado da sobrinha e de uma Padre Guerreira.

Como um vampiro, sugando direto da fonte, Padre 3D vem na moda dos filmes de vampiro, com a trama simples de um filme de ação, estilo Van Helsing, que exigirá pouco mais do que bons efeitos especiais para conquistar um público adolescente. Deve lotar as salas de cinema, mas, não estou com grandes expectativas.

Trailer


Além desses, temos 4 filmes nacionais estreiando que não acredito, por enquanto, que mereçam ser comentados...

9 de maio de 2011

Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas (Big Fish, 2003)

Filmes são obras feitas pelo homem que tocam nossa alma. Em alguns casos, eles são tão bem feitos que nos fazem sentir como se estivéssemos vivenciando toda aquela história que assistimos. Peixe Grande, de Tim Burton, conseguiu juntar características de vários gêneros em único filme, como romance, drama, suspense e comédia. Transformando o filme em uma história de vida que, com vários gêneros, conquista todos os públicos.

A história começa no dia de casamento de Will. Seu pai, Edward Bloom, conta que, no dia em que Will nasceu, ele conseguiu pescar um peixe impossível de ser pego usando a aliança de casamento. Essa história sempre era contada a Will e, depois de tantas vezes ouvir esse conto, ele se cansou das histórias do pai e pediu a verdade, embora esse fosse só o começo da história.

Passamos alguns anos, Will será pai em breve e Edward está com a saúde muito debilitada. Will e a esposa viajam de volta para casa a fim de acompanhar o pai e a mãe dele. Com essa viagem, a oportunidade de se reconciliar com o pai vem à tona e Will começa a buscar a verdade por trás das histórias. A descoberta é ainda mais emocionante.

Não vou estragar a surpresa, mas posso dizer com certeza que não é uma história curta. Edward Bloom se torna o protagonista e nos conta como era sua infância, como ele cresceu e fugiu para o mundo. Conta as histórias de pessoas que ele conheceu pelo caminho de sua vida fantástica e, se pararmos para analisar, no final das contas somos isso mesmo: uma pessoa é aquilo que ela vive.
Tim Burton comentou uma vez que Peixe Grande fala sobre o que é real e o que é fanstasia, o que é verdade e o que é mentira, o que é parcialmente verdade e como, no final, é tudo verdade. Além de toda emoção que é garantida para esse filme, ele também trata de temas como a vida e a morte, relacionamento de pai e filho, tudo de forma simples, direta e completa, utilizando imagens bem detalhistas, além da fotografia e atuação perfeitas.
Outro detalhe importante, que eu sei que muita gente gosta, é a trilha sonora, que recebeu indicação ao Oscar em 2004. Ela consegue traduzir, apenas com músicas, todos os momentos do filme e não perde qualidade em nenhuma faixa. Se quiser, pode ouvi-la aqui.

Caso você já conheça esse filme, comente o que você achou! Se não conhece, porque não aproveita para assisti-lo? Até a próxima.


6 de maio de 2011

Estreias 06/05/2011 - Velozes e Furiosos 5, Reencontrando a Felicidade e Como Arrasar um Coração.

Confira as estreias para esse final de semana:



Como Arrasar um Coração (L'arnacoeur, 2010)
O negócio de família de Alex (Romain Duris) e sua irmã é uma agência de rompimento de relacionamentos, bem sucedida. Mas tem um grande desafio se dá quando um milionário quer acabar com o casamento da filha em apenas uma semana.










Reencontrando a Felicidade (Rabbit Hole, 2010)

Após a morte do filho Danny (Phoenix List) em um acidente de carro, o casal Becca (Nicole Kidman) e Howie Corbett (Aaron Eckhart) encaram uma nova jornada para curar a dor da perda, porém, eles escolhem caminhos um tanto quanto tortuosos, Becca se envolve com o motorista do acidente e Howie busca o conforto que sua esposa não consegue dar com estranhos. Cabe a eles escolherem quais caminhos querem seguir para serem felizes novamente.




Velozes e Furiosos 5 – Operação Rio (Fast Five, 2011)

Dominic Toretto (Vin Diesel) é resgatado da prisão por sua irmã, Mia (Jordana Brewster) e Brian O’Conner (Paul Walker), mas logo em seguida, Toretto desaparece.

O casal acaba indo às favelas do Rio de Janeiro onde, com informações secretas encontradas num dos carros que eles roubam, começam a bolar um plano para pegar a fortuna de Hernan Reis (Joaquim de Almeida).



E aí, qual a sua pedida pra esse final de semana? Conta pra gente!

Receba no seu e-mail - Cadastre-se!

Mais Lidos do blog